quinta-feira, 2 de outubro de 2014

COMENTÁRIO QUALQUER (132)


ESCRITOS ANTERIORES À ELEIÇÃO (03) - POR QUE O PAULISTA ACABOU SE TRANSFORMANDO NO MAIS CONSERVADOR DO PAÍS

Vejo gente tendo chiliques, esperneando por causa do estado mais rico da Federação hoje não ser mais a “locomotiva” da nação. Não gosto do termo. Explico. Já que fazemos parte de uma federação, devemos entender os demais membros e não ficar a disputar hegemonia ou poder de mando. Isso é coisa de imperialista, povo que quer fazendo uso da força dominar o resto. Já devíamos ter superado isso. Viver coletivamente não é mesmo fácil, que o diga o casamento, quanto mais com supostos “irmãos” dentro de um grande país denominado Brasil. Tudo bem que o estado de SP continua o mais rico e assim sendo o que mais contribui no crescimento do bolo. Isso faz parte do negócio. Não discuto como se dá, por exemplo, a formatação do Congresso Nacional, onde um estado como o Acre tem o mesmo número de representantes que o nosso. Também não aprovo isso, mas sendo ao contrário (avaliem isso), não usaríamos a força que temos para esmagar o resto? Com a atual cabeça que vejo dos paulistas seria algo atroz e repugnante.

Usando o termo que não gosto, o de LOCOMOTIVA, quero discorrer sobre essa perda de poder. O paulista hoje critica o Governo federal pelos hoje doze anos do PT no comando da nação, mas não move uma palha pelos mais de 20 anos do PSDB em São Paulo. Usa de dois pesos e duas medidas. Faz isso em tudo. Sou paulista, sempre vivi aqui, mas vejo que desde a Revolução de 32 (ou até mesmo muito antes dela), lutamos por algo pelos quais somos induzidos a isso. Em 32 foi assim, o paulista quatrocentão, queria se ver livre do resto na nação porque perdia privilégios. Vargas pode ser criticado por uma pá de coisas, mas na legislação trabalhista sendo implantada estava explícita a perda de privilégios dos barões paulistas. Daí, esses insuflaram o povo paulista a pegar em armas e lutar pela independência. Ainda bem que perdemos. Guardadas as devidas proporções, vejo muitos tentando fazer o mesmo hoje. Com esses estaremos sempre a reboque da nação, sempre pensando só na gente e não num todo. SP ficou para trás em tudo por causa da continuidade de pensar e agir dessa forma. Tudo o que é preconceituoso parece hoje vicejar e nascer aqui, campo fértil para andar de marcha a ré.

Existe vicejando por aí, fomentado aqui e ali o mesmo pensamento tacanho de antanho. Uma pena. Isso tem deixado o estado de SP cada vez mais numa situação de atraso. Ao invés de se integrar, prega ainda ser o maioral e não quer participar da luta coletiva pela transformação do país. Quem está no comando desse estado, o PSDB, possui todas as culpas pelo atual estado de coisas. Fomenta isso no seu discurso. São eles os que, com um discurso cada vez mais antiquado, retrógrado, conservador e tacanho, incutem a mesma mentalidade junto à população. São produtores de um medo coletivo. Pior que isso, criticam o oponente, mas fazem tudo (e um algo mais) de forma piorada. Lobos em pele de cordeiro. Trabalham com a desinformação e despejam diuturnamente na mente do paulista essa baboseira de que é necessário voltarmos a ser o que éramos. Fazem isso por um único e simples motivo, São Paulo é hoje o último reduto onde ainda dominam e perdendo ele, estariam num mato sem cachorro. O paulista precisa superar essa fase tucana, avançar por outros caminhos, pensar mais coletivamente. Nosso anéis já se foram há muito tempo, não tenhamos medo de uma mudança. Eles, os tucanos, não são nem um pouco assim tão imexíveis (lembram-se do termo?) ou mesmo os únicos capacitados para estarem no comando. O atraso é culpa desses. Entendo assim.

SAIBAM QUE TEM GENTE QUERENDO ACABAR COM A MÚSICA AO VIVO NA CIDADE 
UM SANFONEIRO NA ENCRUZILHADA E MAIS UMA QUESTÃO MUSICAL
A música e os músicos, algo a me mover. Adoro escrevinhar deles todos. Cada um tem um lado em tudo nessa vida e assim deve ser mesmo a coisa. Eu vivo envolvido com o meu lado, defendo-o com unhas e dentes. Tento ao máximo não ser excludente, nem desrespeitar o semelhante de gosto diferente. Diálogo é bom em tudo quando o outro lado está disposto, com coerência e racionalidade. Na questão da música ao vivo aqui em Bauru, entrei num debate, pus a cara para bater, não sou dono da verdade, mas quero dar o meu quinhão. E assim tem sido, alguns concordando, outros não e de um texto publicado ontem, algo de produtivo sendo fomentado. Sou mais um dentre tantos interessados nessa questão. E quando a questão é a música, sempre estou disposto a colaborar. Quero que saibam de uma coisa: adoro ser convencido e quando erro faço uma mea culpa sem nenhum tipo de constrangimento.

Mas essa questão musicista é mesmo instigante e envolvente. Adoro os que saem por aí em busca dela e conhecendo algo novo, querem divulgar, mostrar aquilo tudo para mais e mais pessoas. Anteontem recebo um recado de Ana Lucia Tibúrcio, nada menos que a madrinha de bateria da Escola de Samba Águia de Ouro do Geisel, esposa do vozeirão do programa de samba Batuque na Cozinha, na rádio FM UNESP, o Ulisses Frasão, ambos cheios de muita musicalidade, da cabeça aos pés e lá um pedido: “Boa tarde Henrique, por favor veja um video de um cara tocando sanfona no meu mural. Eu quero erguer o astral dele, é meu amigo e esta desiludido com umas coisas ruins lhe acontecendo”. Fui ver e gostei do cara assim de imediato. Trata-se do sanfoneiro JOÃO ROBERTO. O casal bauruense esteve em Marília no último domingo, num Baile de Terceira Idade e voltaram de lá com os ligamentos desajustados de tanto dançarem. Daí foram conhecer o sanfoneiro no final da festa, gostaram dele, souberam de sua história e querem ajudá-lo de alguma forma. Lembraram de mim (eu me derreto desse jeito).

A história dele é de arrepiar, a de um sujeito muito simples e diante desse mundo cheio de muita malvadeza e malversações. João Roberto Félix, solteiro, 42 anos, mora ali pertinho de Ourinhos, em Salto Grande (já sapequei muito por aquelas bandas), no bairro de São João e tem toda sua vida bem grudadinho com algo inseparável para ele, a SANFONA. Diz ter aprendido a tocar sozinho, pela insistência dos amigos e aos 20 anos começa a fazer apresentações em bailes e shows. Criou um estilo bem próprio, só seu, ou melhor bem puxado para o lado da irreverência e malemolência do nordestino. Ele, com sua música faz todos dançarem muito durante seus shows, anda com o instrumento pelo meio do salão e ferve tudo. Mas não tem dado muita sorte. Muitos se aproximam, propondo sempre algo rentável, mas esses ganham muito e ele quase nada. Cansou e até pensa em parar. Quer tentar ele mesmo ser o empresário de si mesmo, mas desconhece o caminho das pedras. Tem carisma, toca bem, já é conhecido, mas patina na carreira. Quer uma luz. Mas quem sou eu para ajudá-lo, além de escrevinhar umas poucas linhas por aqui e espalhar por aí? É o que tento fazer.

O nome do seu conjunto é MUSICAL ASA BRANCA e já andou tocando aqui por Bauru em casas de forró e no GREB. Shows não lhe faltam, mas a vida não anda nada fácil pro nosso sanfoneiro lá das barrancas do rio em Salto Grande. Nós aqui de Bauru envolvidos nos últimos dias com uma aglutinação em torno dos que defendem a música ao vivo nos bares e casas noturnas e ali do outro lado a situação é outra. Em cada lugar rola uma questão e tudo é música, tudo é som, tudo tem a ver com gente querendo e botando o bloco na rua. Eu não consigo deixar de dar minha modesta contribuição. Aqui em Bauru está ocorrendo nesse momento uma união de todos os interessados na questão da música ao vivo e desse congraçamento de forças algo de produtivo deve ser a solução. No caso do sanfoneiro João, ele quer uma luz, alguém que o ajude, que o faça se inserir nesse mundo de onde sabe já estar, mas do qual não consegue usufruir algo rentável. Deixo aqui seu facebook e um pedido a tudo e todos para que não deixemos ele parar de fazer o que mais gosta na vida.

As histórias musicais possuem capítulos e capítulos, cada um merecendo uma atenção de um jeito e modo diferente. Essa de hoje só mais uma delas. Diante de um mundo onde cada um olha cada vez menos para o problema alheio e só pensa no seu, sem estender a mão ao seu semelhante, esse só mais exemplo de como as soluções pensadas coletivamente se tornam até mais simples. Tanto aqui como ali.

https://www.facebook.com/Felinhosanfoneiro

7 comentários:

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista:

Leandro Siqueira Ótimo texto Henrique Perazzi de Aquino, essa mentalidade "separatista" do paulista explica a realidade reacionária da maioria dos moradores de SP.
Ontem às 09:45 · Descurtir · 5

João Ranazzi Disse tudo, Leandro
Ontem às 09:54 · Descurtir · 3

Daniel Pestana Mota Compartilhei, inclusive com a "palhinha" do Leandro!
Ontem às 10:30 · Curtir · 3

Leandro Siqueira Naiara Martins
Ontem às 10:50 · Curtir

Ricardo Volpe Ortega · 30 amigos em comum
Relembrando a História, na verdade a revolução de 32, não era separatista, ou seja as elites atrasadas paulistas, com o argumento, de querer uma nova Constituição, na verdade, queriam depor o governo de Getulio Vargas, e colocar no lugar, um representante da elite atrasada dos paulistas.
Ontem às 11:18 · Descurtir · 3

Adriano Coelho Hernandes conservador é o PT q não fez uma reforma e nem uma obra de porte ( no Brasil )
Ontem às 16:17 · Curtir

Adriano Coelho Hernandes esquisito q qdo a Criméia quis separar , os mesmos q querem por mão no $$ de SP foram a favor . Tem q cada Estado do Brasil virar um páis , acabar com o grdo e corrupto governo Federal .... e todos viverem como a União europeia ...
Ontem às 16:19 · Curtir

Leandro Siqueira E viver uma crise igual.
É matemática simples, quando se divide, não se soma!
Ontem às 16:24 · Curtir · 2

Adriano Coelho Hernandes hoje sustentamos o governo gastão e corrupto de Brasília, o Uruguai se separou e não sustenta isso... por isso vivem melhor q a gente com menos impostos per capita.. simples assim.
Ontem às 17:18 · Curtir · 1

Marcia Nuriah Meu avozinho esdta dando piruetas no seu descanso eterno agora. Sabe que ele brigava taaanto comigo - porque ele lutou na revolucao de 32 e incansavelmente repetia: Era constitucionalista....
Ontem às 17:43 · Curtir · 2

Marcia Nuriah Convenhamos que a empatia nao é um valor de ponta da pos modernidade - ou ainda nao sei como se chamam os tempos atuais.
Ontem às 17:49 · Curtir · 1

Marcia Nuriah Ah! Hoje encontrei a Esther na sua BMW lindinha. Esther é minha faxineira aqui na Uniao Europeia. Eu sou mulher de empresario, ando por opcao num suzuki que faz 20 km/litro pra nao pagar imposto de CO2. e nao ocupa estacionamento -isso quando nao da p ir de bicilceta. Por isso a Uniao Europeia é tao legal, orasssssss
Ontem às 17:54 · Editado · Curtir · 2

Leandro Siqueira Qual país?
Se for Alemanha não vale heheheh
Ontem às 18:32 · Curtir · 1

Adriano Coelho Hernandes Muitos brasileiros , querem nosso país como uma grande cuba , nao como uma grande alemanha , vá entender.
Ontem às 18:36 · Curtir

Leandro Siqueira Não quero mesmo. um país que explore os outros, a Alemanha antes tentou DOMINAR a Europa pela guerra, hoje domina pela economia. Não quero viver em um país que explora e tenta dominar outros países.
Ontem às 18:49 · Curtir · 1

Adriano Coelho Hernandes vixe Maria.... o q vai virar esse país com esse tipo de pensamento.. doutrinados nas escolas desse pobre Brasil .
23 h · Curtir

Adriano Coelho Hernandes bom , o povo no fundo merece o q tem... q se lasquem .
23 h · Curtir

Leandro Siqueira Doutrinado?
Por favor, me respeite, não lhe faltei com respeito!
Tenho formação acadêmica suficiente para não me considerar doutrinado!
23 h · Curtir · 1

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista 2:

Adriano Coelho Hernandes tá , vc tá certo ,desculpe me , ... e vcs são maioria nesse Brasil... fica tranquilo q seu sonho de venezuelazação , cubanização , .... vai acontecer .
23 h · Editado · Curtir

Leandro Siqueira Não disse que estou certo.
É a minha opinião. Como um ser humano que não é doutrinado, vc sabe que não existe verdade absoluta. Então não coloque palavras na minha boca.
23 h · Descurtir · 3

Almir Ribeiro Não sou historiador, apenas um professor de história. mas não colocaria (e na verdade não me lembro de nenhum historiador que o tenha feito antes deste post) a legislação trabalhista como um dos fatores da reação paulista de 32. Só lembrando que, embora a criação do Ministério Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio e a ampliação dos direitos trabalhistas datem da década de 30, apenas em 43, e sob inspiração fascista, estes direitos seriam consolidados na CLT.
Também não entendi direito a colocação "São Paulo é hoje o último reduto onde ainda dominam e perdendo ele, estariam num mato sem cachorro". Refere-se apenas ao PSDB ou à direita de uma forma geral? Falo isso porque o PT (e considerando que ainda podemos chamar o PT de "esquerda") deve levar MG e talvez manter o RS.
Quanto ao 'reacionarismo' paulista (e caso possamos realmente fazer tal caracterização) carece de melhores explicações. Inclusive e porque aqui continua a ser a maior concentração de trabalhadores do país e, contraditoriamente, é o lugar em que o partido "dos trabalhadores" tem maior dificuldade de se implantar. Isso embora tenha eleito Erundina, Marta e, mais recentemente, Haddad na maior cidade do país. Erundina ensaiou alguns medidas interessantes (em especial o IPTU progressivo) e Marta deixou a prefeitura com ótimos índices de aprovação. No entanto, nem uma nem a outra conseguiram fazer seu sucessor. Algo semelhante ocorreu no berço do PT, o ABCD. Menos que no 'reacionarismo' paulista, acho (e só acho) que as causas devem ser buscadas primeiramente nas próprias opções do PT, que abandona a luta direta, a organização independente dos trabalhadores e do povo pobre, e transfere a disputa para o parlamento, para os tribunais (o IPTU progressivo, salvo engano, foi derrotado no STF), campos que a burguesia é soberana. (Some-se a isso a campanha feroz da mídia. Aqui, e de novo, contraditoriamente sustentada em grande parte por verbas públicas geridas pelo próprio PT).
São pitacos. Seja como for, e isso talvez seja o mais importante, os 'paulistas' não existem e, ainda mais importante, eleições não definem (pelos menos de forma definitiva) o ritmos da verdadeira luta: a de classes.
Meus sonhos não cabem numa urna.
18 h · Editado · Curtir · 2

Marcia Nuriah Leandro Siqueira, é na Holanda, rs.
13 h · Curtir · 1

Henrique Perazzi de Aquino Os últimos 20 anos contribuiram decisivamente para estabelecer que o país tenta caminhar num rumo, SP noutro, daí a constatação do atraso. Os discursos, a mentalidade em evidência hj, principalmente no interior, quando comparados com, por exemplo, o do nordestino, evidenciam isso. Se antes existia evidente "coronelismo, enxada e voto" por lé, hj ocorre por aqui.
12 h · Curtir · 1

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista 3:

Henrique Perazzi de Aquino Acabo de ler um textão agorinha mesmo da pessoa que mais me dá bonstoques hoje, meu amigo Marcos Paulo, muito lúcido e posto aqui para ampliar o debate: "Henrique, acabo de ler seu email e hoje vi no JC sua carta, antes de responder resolvi dar uma xeretada no seu blog para ver as coisas que escreveu no últimos dias e pergunto se realmente quer sair daqui??
Não consigo ficar indiferente a essa dualidade política que você se coloca e como isso tem prejudicado as suas qualidades, sim, porque diferente das pessoas hoje, inclusive petistas que na falta de argumentos, hostilizam e tentam desqualificar como pessoa, eu chamo na chincha justamente porque você tem muitas qualidades e grande talento, mas tem negligenciado isso de si, tudo por querer defender quem não merece e inserir-se nesse mundo virtual de superficialidades reduzindo pensamentos à clichês.

Seja franco, você e as muitas pessoas que fica a discutir política e brigas eleitorais, realmente conseguiriam agora, de bate pronto, aprofundar em pontos como tributação, previdência, e tantos temas em voga?? Tenho a certeza que não, pois assim como os candidatos preparados por publicitários, se fala de forma rasa dos problemas, mas nunca se fala da solução, é um festival de "política sistemática" pra lá e pra cá e outros clichês prontos, igualzinho os debates norte-americanos que já acompanhei. Henrique, outro dia um cidadão falou pra mim na rua sobre um tradicional clichê do fim do fator previdenciário, perguntei a ele se sabia o que é e como funciona o fator previdenciário e aí o cara enroscou, e o pior, é que depois vem tentar me desqualificar e se dizer um entendido porque tem dois diplomas universitários, grande bosta, os cursos são miseráveis em conhecimento, mas a busca por livros nos traz o grande horizonte do saber.

Leia na mesma coluna do JC a carta do Quatrina sobre Adão e Eva, um absurdo sem nexo, mas ao mesmo tempo procure ser reflexivo sobre estes seus últimos escritos, caminha nessa mesma direção. Você pula o processo histórico e transforma em briga política ao invés de passar uma leitura dos fatos, mais uma vez você coloca 32 como um movimento separatista, eu já falei que condeno os dois lados, Vargas e os revoltosos, mas é um erro a forma que está colocando, precisamos voltar ao Brasil império, passar pela primeira e velha república, o golpe de estado de 30, entender a conjuntura mundial do impacto da quebra da bolsa de NY em 29, que influciaram questões econômicas inclusive no Brasil, a questão do café, é muita coisa para se mostrar uma correta leitura do processo na época e mudanças no país, mas que não mudam a forma da base da pirâmide desde o Brasil império.

continua

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista 4:

O estado de SP, sua população é como as demais, o país todo é conservador, inclusive você quando conserva nas justificativas do PT o discurso liberal de mercado, até porque SP abriga gente de várias partes, o que ocorre aqui é o mesmo com o governo federal, mas há um fator que qualquer governo estadual goza que o federal e municipais não, governo estadual está entre o municipal e o federal, fica escondido, o povão que vota e é a maior parte do eleitorado, o primeiro governo que eles olham para cobrar nas questões de infraestrutura é do município, na vida econômica eles olham apenas para o federal, o estadual pouco recebe de críticas e cobranças, mas na hora de colher os louros ele aparece, vá ao projeto populacho do Bom Prato e veja as pessoas ali só elogiando o governador, assim como nos AMEs da vida, o atendimento é uma bosta, mas o lindo prédio engana, questões de trensalão e etc. não são de conhecimento do povão, não caia nessa de briga partidária para justificar esse ou aquele governo, todos são iguais e a crítica passa por outra esfera e mais profunda. E na cidade de SP ainda se tem um suspiro de diversidade, conversei lá com duas ex-professoras da universidade do Ceará que largaram a carreira desiludidas como seu filho e vieram para SP trabalhar com artes e disseram algo notório, SP ainda tem diversidade e uma certa aceitação cultural em vários aspectos como por exemplo, em sp se vê fácil casais homossexuais pelas ruas, bares, algumas cabeças arejadas, quanto que subindo no país ainda são muito religiosos e tradicionalistas nestas questões.

A única sinceridade dos políticos é na hora de falar da corrupção do outro, mas quem está pensando a nação?? Apenas as multinacionais, que geram o lucro que desejam pela submissão da nação, só pra um exemplo, fala-se que um carro aqui custa o dobro dos EUA por causa do imposto, só que fui checar uma vez e o imposto sobre carros nos EUA para as montadoras é maior que o Brasil, só que aqui o órgão governamental responsável além de não fiscalizar a qualidade, não se cria uma política de teto de lucro, e as empresas fazem a festa no Brasil.

Henrique, posso estar pobre, doente, mas te digo uma coisa, o jovem aspirante ao comunismo, cresceu e ampliou os horizontes revolucionários, aumentei os livros e além de diminuir o acesso a internet, jamais caí nessas redes, hoje os narizes empinados dos doutorzinhos de faculdade terão que suar muito para querer debater algo, não adianta vir com conversinha de mortes no comunismo para debater porque vão levar uma piaba, como levaram a turma dos sindicais no debate em SP.

Eu só queria ver o grande Henrique de volta e cada vez melhor, mas isso é você que tem que refletir e ver o que quer pra você, dar o foda-se e abraçar a causa e conhecimento e ir pra Islândia e para o mundo, ou se fechar na pequenez do fundamentalismo político brasileiro???

Camarada Insurgente Marcos Galeano".
11 h · Curtir · 1

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista 5:

Eric Schmitt Não tendo conhecimento suficiente da historia do Brasil, e não tendo direito de votar, então não vou entrar nessa discussão sobre os paulistanos e as virtudes de tal ou tal partido...Mas posso chorar quando estou ouvindo o nivel da campanha o pouco que eu consegui ouvir e assistir nas radio, nas empresas e nos intervalos da TV... Triste de ver musiquinhas de publicidade como para vender eletro-domesticos, discursos sem fundamentação nenhuma, propaganda baseada em contra verdades ou para seduzir uma parte marginal da população... listas de numeros, numeros, so numeros sem mesmo nenhum nome de partido, de indicação do projeto politico... Cantorzinhos fazendo pose para incentivar a votar... Pastores candidatos usando a função eclesiastica deles num pais laico... Manipulação dos empregados dentro das empresas com propaganda diretionada de candidatos escolhidos pela hierarquia...
11 h · Descurtir · 2

Adriano Coelho Hernandes O PT não gosta de SP e SP não gosta do PT . O povo daqui gosta de trabalhar de verdade.
9 h · Curtir

Henrique Perazzi de Aquino Adriano, tu é brincalhão, hem. Hoje é sexta, te desculpo só po isso, mas tome tento. Menos...
9 h · Curtir

Oscar Naufal A classe média não gosta do PT. E já somos 1 estado de classe média. A Marilena explica bem isso: https://www.youtube.com/watch?v=fdDCBC4DwDg

Marilena Chaui - Eu Odeio a Classe Media (fala completa)
YOUTUBE.COM
9 h · Descurtir · 2 · Remover visualização

Henrique Perazzi de Aquino Eu quando escrevo olho muito para os do meu lado. Noto isso que escrevo dos paulistas. Viajei trêz vezes para o Nordeste dentre ano passado e esse e não ouvi nas ruas o mesmo que ouço aqui. Nu Sul do país, a mesma coisa. Vejo-os mais palatáveis ao que ocorre hj na América Latina, relações com Cuba, preconceitos, sensibilidade com outros países, o não querer fazer tudo sózinho. Daí revejo Chauí e vejo que não estou tão errado assim.
9 h · Curtir · 4

Oscar Naufal A classe média, Henrique, não admite que o + pobre chegue onde ela conseguiu chegar. C/ ajuda do gov, então!!!???!!! Nem pensar. Qdo começamos a militar (mto antigamente! Rs...) eram os + ricos que pensavam assim. Mas mudaram: Lula e outros líderes de esquerda fizeram esse povo entender que dividir / distribuir renda dinamiza a economia e todos ganham. E eles mudaram. O desafio maior, agora, é tentar fazer a classe média (mtos estão aí hj gças às políticas dos 2 últimos presidentes - mas boa parte jamais vai reconhecer isso, claro!) entender isso.
9 h · Curtir · 2

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista 6:

9 h · Curtir · 2

Almir Ribeiro São impressões. Importantes, mas ainda sim apenas impressões. Repito que os "paulistas", assim como os "nordestinos" ou "gaúchos", etc, são categorias sem conteúdo real. (Só lembrando: os "progressistas" (ou menso "reacionários) "gaúchos" elegeram gente do tipo Yeda Crusius. Os "nordestinos" reelegem constantemente membros do clã Sarney, tiveram ACM com ídolo e de lá vem o hoje 'cumpanheiro' Collor.
A análise de Chaui, embora traga à tona alguns elementos importantes, é, no seu conjunto, mais uma justificativa do que explicação.
Seja como for, e me repetindo, eleições não definem (pelos menos não de forma definitiva) o ritmos da verdadeira luta: a de classes.
E falta marxismo nas análises aqui presentes. Ele ainda nos salva.
8 h · Curtir · 3

Adriano Coelho Hernandes essa foi p provocar memso Henrique . kkkkk ...... ... e SP mandou 330 bi p a União e recebeu apenas 40 de retorno.... claro q o Nordeste fica feliz da vida com isso e os paulistanos não .
8 h · Editado · Curtir · 1

Adriano Coelho Hernandes esquecem q SP tem 25 % da população do Brasil e precisa do $$ aqui, p pagar melhor professores, aplicar no metrô , em obras p água , etc... #simplesassim.
8 h · Curtir · 1

Almir Ribeiro Os dados de 2012 apontam que dos 722 bilhões R$ recolhidos em impostos federais pelos estados apenas 250 bilhões R$ foram transferidos da união para os estados. (No caso de SP, os números, também de 2012 apontam para uma arrecadação de R$ 285.787.714.789,33 e uma transferência de R$ 23.182.885.832,18 (RJ e DF tem valores mais altos).
No entanto, exceto por má fé (como no caso do Adriano), não podem ser analisados sem levar em consideração os investimentos diretos da União nos Estados. Só para ficar num exemplo, as escolas paulistas (assim como as dos outros Estados) recebem verbas diretas do MEC através de vários programas (em alguns casos, como nas de tempo integral SP), é a única verba com que contam para implementação de projetos.
Tal 'ponderação' não nos impede de caracterizar a forma tributária adotada no Brasil (preciso dizer que muito anterior às gestões petistas) é autoritária, não raro arbitrária e injusta.
7 h · Editado · Curtir · 1

Adriano Coelho Hernandes o certo é acabar como o gordo e corrupto governo Federal , cada Estado virar um país , ligados como na União europeia .... o PT odeia SP .... mas adora o $$ de SP .
7 h · Curtir

Adriano Coelho Hernandes Bauru mesmo nos 12 anos de PT, mandou milhões p lá em impostos federais. , mas qdo precisa , tem q emprestar o dinheiro do gov federal q é nosso mesmo .... palhaçada esse federalismo p otários como esse Almir gosta .
7 h · Curtir

Anônimo disse...

Comentários do face sobre conservadorismo paulista 7:

Almir Ribeiro Adriano: já me disseram que se conselho fosse bom, seriam vendidos não dados. Mas, vamos lá: aprenda a ler, a interpretar textos. Ajudaria bastante uma vez que seria demais pedir que você abandonasse os lugares comuns, deixasse de fazer interpretações fundadas na má fé (quando não de mentiras pura e simplesmente).
7 h · Descurtir · 2

Marcia Nuriah Adriano, a Uniao Europeia divide moeda e tem economia atrelada. No momento a Holanda esta de pinimbas com a Belgica por conta da diferenca na legislacao de impostos - que no fim faz com que os holandeses paguem mais que os belgas e estes fiquem com o $ - mas td isso so pq os bancos - e uns paises desorganizados dessa mesma Uniao - fizeram um fuzue danado e acabou o $.( Nada melhor entao do que ir la bombardear a Siria - ja que o embargo contra a Russia saiu pela culatra, mas isso foge do post).
7 h · Descurtir · 2

Adriano Coelho Hernandes
Bauru mesmo nos 12 anos de PT, mandou milhões p lá em impostos federais. , mas qdo precisa , tem q emprestar o dinheiro do gov federal q é nosso mesmo .... palhaçada esse federalismo p otários ......
6 h · Curtir

Adriano Coelho Hernandes Chega de todas cidades quebradas , eqto temos um governo federal trilionário e ladrão ;.
6 h · Curtir

Adriano Coelho Hernandes Se a Rússia fosse lá atacar os ISIS, os mesmos abestados q xingam a aliança ..... estariam aplaudindo os russos ... gente louca .....
6 h · Editado · Curtir

Marcia Nuriah Olha essa questao da ISIS é muito delicada. Na vdd eu estou griladerrima com a entrada da Holanda nesse vespeiro . Ja nao chegava se meter a besta com o maior mercado consumidor de produtos agricolas holandeses... a Russia é dona do gas, a Europa quis rosnar e saiu mordidisima.
6 h · Descurtir · 1

Eric Schmitt Falando de experiência, a União Europea esta longe do ideal, criticada do mesmo jeito que a federação brasileira. De um lado, pelos nacionalistas que acham que a UE se entromete demais dentro das afazeres dos paises e do outro, pelos europeus convencid...Ver mais
6 h · Descurtir · 2

Marcia Nuriah Renda minima.
4 h · Curtir