terça-feira, 31 de maio de 2011

OS QUE SOBRARAM E OS QUE FAZEM FALTA (21)

ABDIAS SE FOI, BOB DYLAN RESISTE E PÁGINA 12, UM JORNAL COMO POUCOS
Esse meu texto de hoje é mais para demonstrar como vejo alguns dos grandes (sic) jornalões latino-americanos e algumas homenagens que fazem entre si, mas antes disso algumas palavrinhas, breves e sucintas sobre duas pessoas. A primeira é uma que se foi e vai fazer uma bruta de uma falta, ABDIAS DO NASCIMENTO, aos 94 anos, um grande ativista na luta contra o racismo e as igualdades raciais mundo afora. Paulista de Franca, constituinte de 1946, quando propõe a definição de crime de lesa pátria para a discriminação racial. Daí para frente não parou e de suas ações destaco uma, a de ter estado sempre ao lado de Leonel Brizola, ambos da mesma cepa. Para algo mais cliquem em www.abdias.com.br . O segundo é um dos poucos que sobraram nesse mundo atual, um aniversariante da semana passada, 70 anos, BOB DYLAN, um verdadeiro revolucionário na música mundial e em plena atividade.Quando ouvi “Hurricane” pela primeira vez levei a letra para um amigo traduzi-la, pois vi naquilo algo a me transformar. Cida Moreira tem uma versão dela maravilhosa. Esse merece um texto dos grandões (faço qualquer dia desses), mas ressalto aqui e agora não me esquecer do filme “Pat Garret Billy the Kid” (1973), um faroeste onde foi ator e compositor da trilha sonora.

Agora vamos a minha homenagem do mês, um jornal DOS QUE SOBRARAM, o PÁGINA 12, que infelizmente é argentino e não brasileiro. Digo infelizmente, porque não entendo como não conseguimos ter um jornal verdadeiramente de esquerda a nível nacional. Público leitor ainda existe, mas nenhum criado por aqui emplacou por muito tempo. Lá, já são 24 anos de algo único. E faço questão de enaltecer a luta do PÁGINA 12, pois acabo de ler algo do qual tenho muito vergonha. O jornal diário, também argentino, CLARÍN, recebeu em Brasília o prêmio ANJ (Associação Nacional de Jornais) por causa de sua luta pela liberdade de imprensa (sic). Chega a ser ridícula a homenagem, sob a alegação de enfrentar ataques de setores ligados ao governo da presidente Cristina Kirchner. “Aliás, só não é mais ridícula porque a gente já viu como é o comportamento da imprensa brasileira diante de um governo progressista. O senhor Ricaro Kirshbaum diz que o governo considera a imprensa “um inimigo a combater”. Talvez, mas o Clarín é uma parte da imprensa que considera governos eleitos pelo voto popular um inimigo a combater. E diz que o governo criou um exército de jornalistas militantes, “um conglomerado(?) de mídia pública e oficial” a seu favor. Ou algo como os “blogueiros sujos daqui”. Relações limpas devem ser – será, sr. Khirshbaum? – as que o grupo Clarín manteve com a ditadura do general Jorge Videla, naquele país, que envolveram não só o apoio político como, até, a suspeita, fundada, de que os filhos adotivos da dona do jornal, Ernestina Herrera de Noble, sejam filhos de assassinados políticos do regime, entregues a ela, o que está sendo objeto de ação judicial e exames de DNA?”, indaga sobre o prêmio e o jornalão o deputado federal Brizola Neto (www.tijolaco.com ). Infelizmente, a ANJ (que considero como uma entidade patronal a defender o lado do patrão e nadica de nada de “liberdade de expressão e de imprensa”) defende tudo o que repudio, pois liberdade de imprensa, para os donos dos grandes jornais e para a camada de jornalistas que se torna incondicional às suas vontades, é só para eles. Estamos muito mal de imprensa livre, mas enquanto existir algo como um PÁGINA 12, uma esperança nesse velho e rabugento mafuento escrevinhador. É isso que leio e assim sobrevivo. Querem uma simples comparação entre os ditos grandes, os daqui do Brasil e os de lá da Argentina e o Página 12? Dou uma, fatal, os brindes encartados ao jornal são livros e títulos nunca vistos por aqui. Sem comparação.

segunda-feira, 30 de maio de 2011

INTERVENÇÕES DO SUPER-HERÓI BAURUENSE (01)

EXTRA! EXTRA!:
“GUARDIÃO”, O SUPER-HERÓI BAURUENSE EM SUA PRIMEIRA AÇÃO: SAKA AHI, Ó MEU!!!


O vereador presidente da Câmara Municipal de Bauru, Sakai Pinto é mesmo uma ilustre pessoa. Um personagem e tanto, maléfico, por sinal. Tanto faz para aparecer e pelo lado canhestro da atividade política, que acabou tendo a primazia de ser o escolhido, uma espécie de Hors Concours, quase sem concorrentes para inaugurar as ações do GUARDIÃO, o Super-Herói bauruense.

Criação do cartunista GONÇALEZ, o GUARDIÃO está pronto para entrar em ação contra os malefícios perpetrados contra Bauru. O capa e espada, com as cores da bandeira bauruense é uma ótima sacada do artista na luta contra os predadores de nossa terra. A escolha de SAKAI foi automática, tal a seqüência de atos insanos, trapalhadas e bestalionices de sua ação política. Sua eleição para presidência da Câmara já obra macarrônica a merecer total escárnio, depois colecionou apaniguados dentro da administração que é pago para fiscalizar, na seqüência preenche a Casa de Leis só de evangélicos e acaba por trair o acordo que o elegeu ao se bandear para o lado da situação. Na iminência de perder o poder, colocou o rabo entre as pernas, voltou a ser oposição e nem passado uma semana desse tsunami, passa por cima de decisão da maioria dos vereadores e decide como “imperador” (quem seria seu conselheiro?) que a Estação da NOB não pode abrigar a edilidade, optando por gastar não com uma reforma, mas com a construção de um imenso “puxadinho” ao lado do atual prédio ou até levantar prédio novo. É disparado alguém a merecer uma “ação pacificadora”.

Diante de tudo isso, nada melhor do que o GUARDIÃO entrar logo em ação, restaurando a ordem desvirtuada, assim como todo bom super-herói faz com os malfeitores das histórias em quadrinhos, dando-lhes uma sonora e definitiva lição. Veremos o que o GUARDIÃO fará com tão desastrado e prepotente político. O melhor mesmo virá da população, que na próxima eleição poderá o deletar definitivamente da vida pública.

Hoje, 30/05/2011, segunda, na sessão da Câmara a distribuição da charge entre os presentes. Do GUARDIÃO, algumas novidades e expectativas. Seu nome ainda não é algo definitivo. Sugestões são aceitas e podem ser enviadas como “Comentários” aqui no blog. A idéia desse lançamento por aqui é minha, o HPA e do GONÇALEZ. Inicialmente estaremos lançando dez charges, uma por semana com ações escolhidas pelos leitores do blog. Aguarda-se a participação de todos. O GUARDIÃO está mais do que pronto para alçar vôo solo, já com HQs, tiras e por que não, num grande veículo impresso local. E ele conta também com a ajuda de ilustres bauruenses em suas ações, como o pastor da praça, seu Varme, como mostra um dos desenhos publicados.

O blog é só o começo de tudo. Por aqui, sua ação não sofrerá nenhum tipo de cerceamento, podendo agir onde as sugestões indicarem. Estamos pensando também na produção da fantasia do personagem, vesti-la em alguém e circularmos pela cidade em ações de carne e osso. Tudo isso depende do que virá pela frente. Hoje é o SAKAI e na semana que vem dependerá de sua sugestão.

domingo, 29 de maio de 2011

FRASES DE UM LIVRO LIDO (49)

A MÃE DOENTE E O PAI REDESCOBRINDO UM LIVRO ESQUECIDO NA ESTANTE
Essa semana está sendo um tanto difícil para todos aqui de minha casa. Minha mãe, 74 anos, com todos seus problemas acumulados de saúde está diante de um novo e inesperado, a paralisação de seus rins e a ampliação do seu padecer. Internada desde segunda, uma nova realidade, com hemodiálise como rotina, algo invasivo e causando apreensão em todos. Quem mais sofre e o mais calado com tudo isso é meu pai, 83 anos e agora, praticamente sozinho em casa a ruminar isso tudo num local esvaziado e silencioso. Ir acompanhando seu jeitão de entendimento disso tudo é mais do que um aprendizado para mim, que estou ao seu lado no dia-a-dia.

Entre as idas e vindas ao hospital, numa das noites o encontro na sala com um velho livro entre as mãos. Um de capa dura, desses a permanecerem 30 a 40 anos esquecido sem nenhuma consulta. Trata-se do “Novo Tratado Médico da Família”, com o subtítulo “Conselhos práticos para sãos e enfermos”. Não achei o ano da publicação, mas deve ter quase a minha idade. Fui lhe perguntar o que estava fazendo. “Estou procurando algo sobre os rins, quero encontrar um bom medicamento para o problema da Eni. Se eles estão com dificuldade para localizar, quero ajudar”, me disse.

E lá ficou a pesquisar. Na manhã seguinte estava com um papel nas mãos e umas anotações. Queria entregar para as médicas o que havia localizado. Lá estava escrito: “Novobiocina – atua bem nas infecções do aparelho urinário”. Sem saber o que fazer, acabei por dizer que entregaria eu mesmo o papel. E não o fiz, não por desprezar o zelo dele, mas por essa infinidade de coisas que nos fazem agir assim e guardo ele junto de minha carteira. E não é que o livrão, o catatau medicinal, esquecido lá na estante da sala deles hoje quase me fez chorar. Esses pequenos, singelos e significativos detalhes, que a vida nos reserva e comprova a existência de um carinho e amor a passar por cima de tanta coisa.

Hoje, domingo, a mãe talvez volte para casa e iniciemos algo novo por aqui, tendo que submetê-la a três hemodiálises (ou diálises, sei lá) por semana. Uma reunião entre parentes próximos, uma agenda de permanência ao seu lado e um livro, antes esquecido e que certamente, em todas as limpezas futuras, não o descartarei com a facilidade que teria, se estivesse com a incumbência de promover arrumações na sala da casa deles. Cá estou nessa manhã dominical folheando-o ávido por descobertas e auxílio, assim como meu pai.

OBS.: Ando com a sensibilidade extremada por esses dias e abdiquei de muita coisa que fazia, talvez mais ácido e com menos paciência. Não é para menos. Aproveito para além de dedicar esse texto para meus pais, fazê-lo a outra pessoa querida, convalecendo também no leito de um hospital, ela de problemas pós-operatórios, a amigona do peito, Tatiana Calmon, esposa do Roque Ferreira. Força para todos nós.

sábado, 28 de maio de 2011

MEUS TEXTOS NO BOM DIA (125, 126 E 127)

DUAS FRASES RADIOFÔNICASpublicado diário bauruense BOM DIA, 14/05/2011
Eu, como não me canso de apregoar por aqui, sou assíduo e contumaz ouvinte de rádio, tanto AM como FM. Fuço muito e estou em constante mudança de uma estação para outra. Não gosto de algo, pronto, mudo logo. Faço isso em tudo na vida, insisto só em poucas coisas, as inevitáveis. Aqui em Bauru não vivemos um bom momento no quesito rádio, principalmente nas AMs. Algumas fecharam, todas com abusiva propaganda evangélica e uma pífia programação, nada opinativa e a reproduzir o batidão geral, muita coisa tendenciosa no ar. Adoro os que remam contra a maré. Ressalto algo grandioso esse mês, os 20 Anos da Rádio Unesp FM, algo diferenciado e de qualidade no dial nacional. Viajo com eles todos os dias e nesses 20 anos, deixei de fazê-lo em pouquíssimas ocasiões. Tenho muitos amigos dentre os radialistas, mas ressalto aqui a coragem de uma radialista, dessas que ainda exercem a profissão na acepção da palavra, Maria Dalva, da 94FM. Uma delícia ouvir seus comentários no horário do almoço. Com alguns até engasgo, largo o garfo e faca e corro a procura de um lápis e papel a anotar o que acabou de dizer. No começo dessa semana comentando sobre as filas duplas defronte um colégio particular no centro de Bauru, algo que não muda nem que a vaca tussa, sacou algo assim: “Quem pode faz suas próprias leis”. Para bom entendedor está tudo dito aí, de forma instigante e definitiva. Dalva sabe o que fala e acerta sempre na mosca. Ainda na 94FM ouço outra, dessa vez proferida por Paulo Sérgio Simonetti, o dono do estabelecimento, no programa jornalístico InformaSom. “Não existe uma só viagem que façamos hoje pelas estradas paulistas sem que se leve uma multa”, disse. É a mais pura verdade. É impossível escapar da gana arrecadatória dos radares paulistas. Verdadeira máfia por trás disso e isso dói, e muito, no bolso de todos nós. Do Paulo, posso não concordar com tudo, mas acordo escutando seu programa, conversas com o ouvinte, algo tão em falta em outras programações.

BURLANDO A LEI TRABALHISTApublicado diário bauruense BOM DIA, 21/05/2011
Em 2010 foi registrado um recorde na geração de empregos com carteira assinada: 2,8 milhões. A soma do trabalho formal chegou a 44,1 milhões. Desses, 15,3 milhões foram criados nos dois governos de Lula. Nem isso impede um quadro assustador, o da legislação trabalhista estar em baixa. Fiscalização existe e com exaustiva atuação, tanto que o nome dos fiscais são conhecidos por todos, figurinhas fáceis nos noticiários. Os abusados a burlarem a legislação é que estão cada vez inovando nas formas de aumentarem seus lucros à custa do não cumprimento das obrigações trabalhistas. Cito exemplos. Uma grande construtora, dessas a infestar a cidade de blocos como moradias é pega com trabalhadores em regime de semi-escravidão, contratos mal explicados, verdadeiros ninhos de ratos como alojamentos e gente vinda do Nordeste como gado. O lucro aumentando a olhos vistos. Apartamentos superfaturados, vendidos aos borbotões e pagando muito mal os que pegam no pesado. Outro descalabro é o que se denomina de PJ – Pessoa Jurídica, muito comum em empresas bancárias e no segmento imobiliário. Respaldados por desvios na legislação não registram mais seus corretores. Muitos outros trabalham ganhando só comissões e isso só em caso de venda efetuada, do contrário, nada. Tem imobiliária na cidade com mais de 80 desses, nenhum com carteira assinada e todos divulgando a mesma, quase gratuitamente. São novas formas de exploração da mão de obra, aperfeiçoamentos no driblar leis. Um vale tudo financeiro, onde o lucro é cada vez maior e o trabalhador cada vez menos protegido. Uma beleza, dizem ser esse o futuro perfeito. Perfeito para quem?, pergunto eu.

RICO VAI PARA A CADEIA?publicado diário bauruense BOM DIA, 28/05/2011
Após mais de dez anos de recursos jurídicos o jornalista Pimenta Neves e o ex-prefeito Izzo Filho são recolhidos à prisão. Um matou a namorada a tiros e o outro fez e aconteceu com o poder nas mãos. Ambos famosos e com recursos, recorreram até não mais poder, a maior parte do tempo em liberdade. Esse o percurso do processo penal brasileiro, um ritual a favorecer os endinheirados. Mais que isso, principalmente as grandes bancas de advogados, que usam todos os recursos disponíveis, alguns únicos no Brasil, ganhando somas inimagináveis e postergando condenações por tempo indeterminado. Como alterar isso? O ministro presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), Cezar Peluso tenta mexer nesse vespeiro e enfrenta a fúria da reação corporativa dos advogados. São quatro instâncias recursais e uma esdrúxula legislação processual. O ganhar tempo é uma fonte de impunidade permanente para o criminoso endinheirado e totalmente inacessível para o cidadão comum. A OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) é contra a redução das instâncias e usa como argumento que isso dificultaria acesso à Justiça. Essa farra de recorrer a quatro instâncias também favorece os governos a não honrarem seus compromissos de precatórios. E assim prorrogam tudo até não mais poderem. Sabe qual é nó da questão? A grande maioria dos processos possui caráter de recurso e já tendo passado por instâncias inferiores, desaguam no STF, que foge ao seu princípio básico: o de apreciar somente assuntos estritamente constitucionais. Virou um grande tribunal recursal, uma farra do boi e, conseqüentemente, faz com que a justiça caminhe lentamente. Já ouviram aquela máxima de que “rico não vai para a cadeia”. Peluso luta contra isso, mas a resistência corporativa da chicana jurídica é forte e quer continuar se aproveitando financeiramente da situação. Muita grana fácil em questão.

sexta-feira, 27 de maio de 2011

DOCUMENTOS DO FUNDO DO BAÚ (23)

350 MIL DOCUMENTOS PAULISTAS À DISPOSIÇÃO DE PESQUISADORES
Para os pesquisadores espalhados por todo o estado de São Paulo uma notícia mais do que alvissareira. Existia até então uma grande reclamação de uma dificuldade muito grande em consultar documentos sobre a fundação da maioria dos municípios paulistas. Desde o mês passado isso mudou bastante, com a abertura da visitação on-line de quase todo o arquivo disponível pela Assembléia Legislativa. Tomei conhecimento disso na pesquisa que faço com Fausto Bergocce, levantando dados sobre os primórdios de Reginópolis. Lá na ALESP, a DIVISÃO DE ACERVO HISTÓRICO, sob a coordenação de CARLOS ALBERTO UNGARETTI DIAS, seu Diretor, amigo do Fausto de longa data. Estivemos pessoalmente com Carlos na segunda passada, 23/05, quando vimos in loco todo o esforço para disponibilizar gratuitamente uma rica documentação referente ao nosso estado.

Tudo é muito simples. O passo inicial é acessar o site da ALESP, http://www.al.sp.gov.br/ e com ele aberto clicar no quinto campo do lado direito, ACERVO HISTÓRICO. Pronto, estará aberto a página onde numa janela do lado direito, uma informação preciosa diz que “disponibilizamos para consulta 350.000 páginas de documentos da história de São Paulo". Quatro novas janelas, essas sobre o período a ser consultado, IMPÉRIO, REPÚBLICA VELHA, ANOS 30 e PÓS 47. Ao lado de cada janela, escolha a opção que melhor lhe convier no que busca. A infinidade de documentos, a grande maioria ainda totalmente desconhecida pela maioria dos pesquisadores é de deixar qualquer um de queixo caído. Eu e Fausto conseguímos muito mais do que queríamos e de lambuja ganhamos um passeio ciceroneado pelo diretor Carlos em quase todos os cantinhos da ALESP. De quebra deixou uma rara dica para saborear a contento tudo o que se busca: “Refine a pesquisa, clique somente um nome ao fazer a mesma e vá saboreando o que encontrar”. Informa que está em andamento um Concurso de Monografia dos mais interessantes, com informações também lá no site e premiações das mais interessantes.

Além dele, conhecemos logo na recepção do ACERVO, a pesquisadora ROSELI BITTAR, que nos dá uma aula sobre os meandros de como fazer uma pesquisa da forma correta: “No momento de clicar o tema, busque inicialmente a menor partícula possível, ou seja, somente uma palavra. Colocando dois ou mais, a pesquisa só mostrará tudo o que contiver os dois nomes e nada isolado. O documento, principalmente os mais antigos, escritos à mão devem ser lidos com paciência. A primeira leitura assusta qualquer um e alguns até concluem que não irão conseguir ler aquilo. É necessário entender a grafia da época, algumas formas de abreviação e, principalmente, o contexto em que foram escritas. Verificar se não tiveram significado alterado de lá até hoje é muito importante. Não espere encontrar tudo fácil. O saboroso não está no impresso, talvez no rabisco ao lado, numa observação lateral”.

São dez funcionários e muitos pesquisadores, alguns bolsistas, estagiários e uma disposição imensa de ajudar a todos. Cópias são permitidas já nessa consulta inicial e quando se faz necessário algo com uma definição mais apurada, tire as dúvidas pelos e-mails constantes do site e pelos telefones 11.38866308 – 38866309 – 38866530. Uma luz e tanto no fim do túnel para elucidar muita coisa ainda desconhecida da maioria das pessoas e fatos históricos. Aqui de Bauru e região fiquei deslumbrado com as possibilidades, que já penso em recontar algumas passagens sobre a ótica da verdade histórica e não a do que muitos de seus intérpretes perpetuaram ao longo dos anos. Dá para desmentir muita coisa do que é dito até hoje como verdade incontestável. O pesquisador e professor de História, Carlos Alberto Ungaretti Dias é um dos mais renomados nomes a falar sobre ARQUIVOS PÚBLICOS e está disposto a vir até Bauru dar uma palestra. Trato disso pessoalmente com o pessoal ligado à Secretaria Municipal de Cultura.

quinta-feira, 26 de maio de 2011

PALANQUE – USE SEU MEGAFONE (08)

TENS UM TEMPINHO LIVRE? NÃO DEIXE DE CONFERIR – LIMPANDO AS GAVETAS
Dou hoje uma geral em tudo o que recebo e tomo conhecimento estar acontecendo. Tenham paciência e confiram item por item, pois muita coisa cairá no seu gosto:
1.) “Amigos e amigas queridas (os), vejam minha exposição virtual “TEMPORADA DE DANÇA”, seguindo o link: http://artedenicodemos.blogspot.com/p/exposicao-virtual-temporada-de-danca.htmlvirtual-temporada-de-danca.html Será uma grande alegria recebê-los. Está é a primeira expo-virtual de uma série que estou programando. Espero que gostem e divulguem para os seus contatos. É uma forma bem gostosa de compartilhar o nosso gosto pela Arte. Grande abraço a todos (as). JOÃO NICODEMOS – www.poemasdonicodemos.blogspot.com/
2.) Esso Maciel é de tudo um pouco, desde artista plástico a cuidador em sua casa de mais de 15 animais. O desvario faz parte de sua vida e ação, sem se preocupar com o que achem disso. Aos 70 anos, está sendo homenageado com um documentário gravado pela Secretaria Municipal de Cultura e agora, após um toque dado por ele, entro no http://www.youtube.com/results?search_query=esso+maciel&aq=f e me espanto com a quantidade de vídeos a seu respeito, postados por amiga dele. Um mais amalucado que o outro, algo que só os mais descolados entendem na sua exatidão. Esso merece um livro e me dedico a isso no segundo semestre do ano.
3.) Escrevi aqui dias atrás sobre a nova livraria na cidade, a Nobel, pela qual torço muito pelo sucesso. Início sempre difícil para introdução de algo novo no mercado já existente. A loja está aberta e uma inauguração de pompa está em preparação. O pontapé inicial da abertura de um amplo salão anexo, com possibilidades mil está sendo dado nessa semana com a palestra do professor SINUHE, “O que pode é o que quer essa língua?”. Dia 27/07, 19h30, na rua defronte o Shopping. Livraria tem sempre que dar certo, mas sabemos como isso é difícil com cada vez menos gente lendo. Aos da Nobel deixo outra dica, essa semana no http://www.reservacultural.com.br/, um cinema cultural encravado na Avenida Paulista em Sampa, um café matinal com cinema francês. Espaço existe aqui para repetir o feito e fazer sucesso.
4.) Meu amigo paulistano e bauruense radicado no mundo, o escritor e cartunista BETO MARINGONI lança livro novo essa semana e divulga convite: “Amigas e amigos,Tudo bem Quero convidá-los para o lançamento de meu livro 'Angelo Agostini - A imprensa ilustrada da Corte à Capital Federal, 1864-1910'. Será na próxima sexta (27) na livraria Martins Fontes (Av. Paulista, 509 - em frente ao metrô Brigadeiro), a partir das 18:30 h. Angelo Agostini (1843-1910) foi o principal artista gráfico em atividade no Brasil da segunda metade do século XIX. Entre 1864 e 1908, ele desenhou cerca de 3,2 mil páginas em uma dezena de publicações, com destaque para a Revista Illustrada. O período marca a passagem da imprensa brasileira de uma fase artesanal para sua etapa industrial. Este livro examina a vida, a obra e a época de um empresário, editor, jornalista, ilustrador, fotógrafo, pintor e, sobretudo entusiasmado militante da causa abolicionista. Aguardo todos. GILBERTO MARINGONI”.
5.) “Jornalismo e democracia” é o tema da palestra que o editor da revista mensal CAROS AMIGOS, Hamilton Octavio de Souza estará ministrando em Bauru, na programação do “Seminário Avançado de Jornalismo”, no Campus da Unesp, dia 28/01, sábado, na sala 1 da FAAC. O tema é mais do que pertinente e versa sobre a concentração existente no sistema de comunicação brasileiro. Quem não gosta de comer gato por lebre precisa bater cartão, principalmente, alguém como eu, que compra a Caros Amigos desde seu número 1. Adoro a revista.
6.) Como não me canso de repetir por aqui: “Blog: TAPUYA - Postagem: Agora pode! Comunista aliado a ruralista dá nisso !!!! Deus nos acuda!!!! Link: http://rejanetapuya.blogspot.com/2011/05/agora-pode-gracas-dom-aldo.html “. Acordos entre deus e o diabo é como não ter vergonha nenhuma na cara. Essa Tapuya pirajuiense, uma quase indígena, a Rejane, possui e de montão.
7.) Escrevi dias atrás aqui sobre Tito Madi e as homenagens feitas a ele via Argentina, pelo radialista José Luis Ajzenmesser, que toda terça e sexta, período das 15 às 20h, tem um programa La Guagua (http://www.laguagua.com.ar/) sobre MPB na Urquiza FM de Buenos Aires. Ouçam-na ao vivo no http://www.fmurquiza.com/ . Fiquei encantado de ver a quantidade de gente da MPB entrevistada por ele e disponibilizada na internet, muito mais do que muita gente do rádio brasileiro nunca fez e nunca fará. Estarei lá em julho e o entrevistarei para esse blog, além de participar das comemorações dos 20 anos do seu programa. Ainda sobre a Argentina, não posso passar em branco as comemorações dos 24 anos do diário Página 12 (http://www.pagina12.com.ar/ ), um que leio diariamente via internet e hoje, na charge do Rep, me vi fazendo a mesma coisa quando do lançamento da revista Bundas, do Pasquim 21, da Caros Amigos, da Brasileiros, da Carta Capital, ou seja, fui um dos primeiros a trazê-las para casa.
8.) Leio por tudo quanto é lugar como aqui no Brasil adoram dar estocadas em Cuba, mas na hora do aperto apelam para reverenciar algo advindo de lá. Nos emails que recebo do O PENSADOR, ARAUTO, NEW TIME algo assim, quando desce a lenha (merecidamente) no ministro Palocci: “ESSE CARA E TODOS AQUELES QUE FORAM BENEFICIADOS COM AS INFORMAÇÕES PRIVILEGIADAS QUE ELE VENDEU, TODOS, SEM EXCEÇÃO DEVEM SER PUNIDOS RIGOROSAMENTE MAS, AQUI NO NOSSO PAÍS AO INVÉS DO POVO REAGIR E ACABAR COM ESSAS MARACUTAIAS O POVO PREFERE FAZER PIADINHA COM COISA SÉRIA. SOMOS UNS BANANAS QUE RIMOS DA NOSSA PRÓPRIA DESGRAÇA. MAIS UM VAGABUNDO E LADRÃO PETISTA QUE VAI FICAR IMPUNE! SE FOSSE NUM PAÍS SÉRIO NO MÍNIMO A PENA MÁXIMA SERIA FUZILAMENTO OU GUILHOTINA”. Abomino o descarrego de alguns só aos petistas, pois todos são muito iguais e ressalto que nesses momentos todos se lembram de Cuba. Pra isso ela é boa, né? Zé fini!!!

quarta-feira, 25 de maio de 2011

COMENTÁRIO QUALQUER (83)

AINDA A REVIRADA, ODEIO RODEIO, DUPLA SATÂNICA E DISCUTIR “CULTURA”
1.) A Revirada Cultural de Bauru, ocorrida no último final de semana por aqui, 21 e 22/05 foi mesmo um sucesso. A grande sacada foi abarcar as manifestações culturais de Bauru e região, demonstrando para o Governo estadual, o que cerceou a Virada Cultural na cidade, que numa produção caipira, modesta, os objetivos podem ser alcançados e com maior receptividade pelo público. Critico quando acho necessário e não me furto de aplaudir nos momentos onde o acerto é evidente. Apertei pessoalmente a mão do prefeito Rodrigo e do secretário de Cultura, o Elson Reis pelo acerto. Não pude ver as atrações de domingo, viajei, mas sábado fui em dois momentos. O primeiro já relatado aqui e agora para relembrar, já com saudade, da passagem de Chico Cesar pelo palco principal. O show foi bom, mas no momento do “bis” ele se superou. Foram cinco músicas e na última, o êxtase quase coletivo. Uma música com o título ”ODEIO RODEIO”. Ele a prolongou à exaustão e o público cantou o refrão de forma entusiasmada, o que me fez perceber que nem tudo está definitivamente perdido no gosto das massas. Isso me fez ir até o camarim, comprei CD e fiz o rapapé de congratulação por ter produzido algo que caiu como uma luva no que comungo. Muitos fizeram o mesmo e registrei um pouco disso nas fotos e no vídeo com sua apresentação. Agora, acredito que reviradas outras poderiam ocorrer pela cidade afora, fazendo não o público vir até o Vitória Régia, mas o contrário, as manifestações culturais irem até onde o povo está, ou seja, na periferia. OBS.: a moça sorridente da foto é a Zilda Ribeiro, servidora municipal da Cultura.

2.) Não posso deixar de continuar escrevendo sobre a dupla infernal (um se diz enviado dos céus) a dominar os destinos da Câmara Municipal de Bauru, Sakai Pinto e Marcelo Borges. Defenestram a possibilidade de mudança da edilidade para a Estação NOB e atravancam a reforma do Ginásio Panela de Pressão. Eu sou um voraz crítico da utilização da Panela reformada só para o basquete, mas o que escrevo aqui é sobre outra coisa. Assim como Pedro Tobias havia anunciado que Rodrigo teria vida dura por ter apoiado Dilma e não Serra na eleição, tendo a retirada da Virada como uma das retaliações, vejo em todas as ações da Câmara daqui para frente algo nesse sentido. Em tudo, mas em tudo mesmo irão atravancar a governabilidade da gestão atual e farão de tudo, mas tudo mesmo para dificultar e emperrar o andamento dos projetos encaminhados à Câmara. Percebam isso, maquiavelismo puro e da pior espécie. Não sei quem seria marionete do de quem, mas irmanados na maldade, como se aproxima a próxima eleição municipal, a dupla não pensa nem um pouco em benefícios para a cidade, mas criar problemas para a administração. Isso lhes facilitaria o caminhar até o cargo almejado. Esse dois em cargos administrativos será a derrocada final e a instauração do autoritarismo e da insanidade total e absoluta como forma de governo. Concordo e aceito a crítica de que o sistema num todo é que é ruim, mas existem uns piores que os outros. Desses dois não espero nada de bom para Bauru, personificam em suas ações o que de pior existe num sistema cruel e excludente, promovem ações na penumbra e tentam se passar como mocinhos. Não lhes darei trégua, mesmo ciente de que isso pouco os importunará. Pedrinha no sapato, só isso.

3.) Por fim, algo mais sobre Cultura. Um dia inteiro para a discussão desse tema lá na Oficina Cultural (convite publicado aqui ao lado), organizado pelo amigo José Vinagre. Será amanhã e dentro do tema, aproveito para sugerir algo novo. Digam-me quais as opções de promoção cultural sem que se envolvam verbas públicas? Tô vendo cada vez mais pessoas querendo participar do bolo cultural só para abiscoitar suas fatias. E fora disso, existirá saída? Quais? Tudo bem que as verbas estão aí e se não usadas por esses grupos locais, outros a farão e sempre os mesmos, inclusive quem delas não necessita, mas percebo um afunilamento de ações, um convergir total e absoluto para elas. Como fugir disso e o artista não se tornar seu eterno refém?

video

terça-feira, 24 de maio de 2011

RETRATOS DE BAURU (101)

CELSÃO, O ARTESÃO DA PRAÇA RUI BARBOSA
Celso Ferraz Lisboa, 55 anos é a cara da Praça Rui Barbosa, pois está lá, com sua toalha de artesão estendida no chão há décadas. Fui perguntar a ele desde quando e sua resposta: “Se sabe que eu não sei. É como se ela fizesse parte de minha vida”. Vê-lo ali, entortando seus arames é uma rotina e parar para um bate papo outro. Já fez muita coisa na vida, inclusive rodou o país na boléia de um caminhão, mas quando os filhos cresceram e tomaram rumo na vida, tomou a decisão: “Vim fazer o que eu gosto”. Está estampado em sua cara gostar do que faz, ele e a esposa, Cátia, tanto que acabam de voltar de uma longa viagem de 12 mil km: “Eu, a esposa e o Del Rey velho, passando pelo Triângulo Mineiro, Goiás, Tocantins, Maranhão e voltando pelo litoral nordestino, parando em tudo quanto é cidadezinha, montando meu pano na praça e ganhando a vida”. Esse o Celso, essa sua vida, tendo chegado a Bauru aos 15 anos, em plena ditadura militar, ano de 1970, bateu cartão no festival de Águas Claras (teve foto publicada em matéria da Revista do Brasil, quando contou sua experiência por lá) e ao se descobrir artesão, tomou conta da praça e ao se deparar com o prefeito na Revirada Cultural foi logo falando: “Preciso lhe falar. Eu tenho a solução para a praça”. E deve ter, pois permanece ali a maior parte do tempo. Ele, a índia Luiza, o Samir, que hoje revende um artesanato feito na 25 de Março, o pastor Varme e outros. “Tá abandonada. Deixei um maço de cigarros amassado em cima de uma marquise e ele ficou lá quatro dias. Ninguém reparou nele. Eu tenho a solução para a praça”, conclui. E para quem quiser comprar do seu artesanato ou saber da tal solução, basta ligar para 14.81834182.