domingo, 31 de outubro de 2010

PERGUNTAR NÃO OFENDE ou QUE SAUDADE DE ERNESTO VARELA (19)

É HOJE, É HOJE, É HOJE... NÃO PASSA DE HOJE.
Poucas palavras, ou melhor, quase nenhuma. É o melhor que faço após tudo o que foi presenciado nos bastidores da eleição presidencial de 2010. O blog alterou sua rotina, falou mais de política e fez a justa defesa da continuidade do projeto de Lula, o que não precisou vender, nem lotear o Brasil para começar a dar jeito em nossos seculares problemas. Pensando assim, estar ao lado de DILMA ROUSSEFF foi algo mais do que natural. Hoje, além da apreensão, pois mesmo com a vitória quase garantida, estamos diante de uma oposição que acredita ser possível tudo (mas tudo mesmo) para se vencer um pleito. Todo cuidado é pouco e assim sendo, saio para votar e permaneço com o farol em pleno funcionamento (e com a peixeira enferrujada na cintura). Amanhã voltamos ao normal, com a retomada de projetos adiados em Outubro, como as histórias de Memória Oral e até o trabalho, minha fonte de renda e sobrevivência, um tanto adiado, devido ao envolvimento ocorrido nesse mês. Em outubro algo precisava ser feito e acredito ter feito a minha parte. Deixo aqui uma pergunta no ar, para todos que estiveram envolvidos com essa eleição:
O QUE SERIA DESSA ELEIÇÃO SEM O PAPEL FUNDAMENTAL DOS DITOS 'BLOGS SUJOS', OS QUE NÃO ESCONDERAM A VERDADE DOS FATOS, DIANTE DE UMA IMPRENSA CADA VEZ MAIS TENDENCIOSA E INTERESSEIRA? CREDITO AOS BLOGS UM FUNDAMENTAL PAPEL, O DE NÃO TER DEIXADO COM QUE A ELEIÇÃO PENDESSE TOTALMENTE PARA O LADO PROPOSTO PELO 'PIG - PARTIDO DA IMPRENSA GOLPISTA'. QUE ACHAM DISSO?

Responda quem puder...

video

sábado, 30 de outubro de 2010

MEUS TEXTOS NO BOM DIA (97)

DUAS FRASES E O AMANHÃ LOGO ALI - publicado no diário bauruense BOM DIA, edição de 30/10/2010
Amanhã é o nosso “Dia D”. Até o final da tarde já saberemos qual projeto ganhará o privilégio de governar o país nos próximos quatro anos. Todos nós temos um lado e mesmo aqueles que se dizem os mais isentos possíveis, dificilmente conseguem ocultar o seu. O meu eu sempre deixei mais do que exposto e o defendo com unhas e dentes. Sou assim, emotivo e apaixonado pelo que acredito. O entendimento da História de um país, as lutas de um povo e tudo o que o moveu ao longo dos séculos é algo para inebriar e contagiar. Nosso país de pouco mais de 500 anos teve passagens de muita intolerância e principalmente, quase na sua totalidade, de uns poucos decidindo e impondo o que a imensa maioria deveria fazer. Numa possibilidade disso tomar outro rumo acabo por me envolver dos pés à cabeça. Transformações por revoluções, movimentos sociais de baixo para cima acontecerão muito remotamente nesse país, onde, certo dia um jornalista observador e atento, Mino Carta, olhando para o passado disse: “falta sangue em nossa história”. Atávica resignação, diferente de outros povos latinos, mas quando existe a possibilidade de algo novo, voltado para os mais necessitados, olhar sensível sobre os problemas da miserabilidade e suas soluções, pego meu embornal e sigo nessa trilha. Vi isso no governo do metalúrgico, o dito iletrado, o que transformou esse país e para prosseguir só existe um caminho, Dilma. Duas frases me tocaram nessa última semana. Uma de um religioso a ser respeitado, frei Leonardo Boff: “Com Lula a esperança venceu o medo e com Dilma a verdade vai vencer a mentira”. Outro da mesma cepa, Chico Buarque, mostrou o caminho do trilhado por Lula: “Quero um país que não fale fino com Washington e nem grosso com a Bolívia e o Paraguai”. É aqui o meu lugar e é esse o Brasil que quero ver continuar vicejando. Rego esse jardim fervorosamente.

ALGO DA PASSAGEM PELO RIO E UMA CAMINHADA: Saimos hoje da cidade de Rio de Janeiro, eu e a namorada Ana Bia, de carro por volta das 9h30 e chegamos exaustos em Bauru às 19h. Tenho muito o que contar desses últimos momentos de campanha a favor de Dilma presidente e de dois shows que tive o prazer de presenciar gratuitamente por lá, ambos comandados por mulheres (um VIVA! a elas). No primeiro, Soraya Ravenlle e Zé Renato cantando músicas + teatro e no segundo, Cristina Buarque e Henrique Cazes, reverenciando Noel Rosa. Nos próximos dias publico aqui duas gravações desses shows. Hoje, faço um breve relato de uma passeata/caminhada, que acabei por participar meio que por acaso. À trabalho no centro nervoso do Rio, sexta, 29/10, por volta das 16h, passando defronte a sede do PDT carioca (esse brizolista até a medula, portanto, mui diferente do paulista), vejo que a militância está reunida, pronta para ir às ruas, com caminhão de som e tudo em prol da candidatura de Dilma. Incorporo-me ao corso. Conheço o presidente do PDT carioca, José Bonifácio e falo a ele de alguém que aprendi muito a admirar nos últimos meses, o deputado federal Brizola Neto. Esse não veio, pois após perder a reeleição está preferindo continuar sua luta pró-Dilma com o memorável Tijolaço (http://www.tijolaco.com/) na internet do que sair às ruas. Questão de estratégia, estilo e de recuperação de um problema de saúde. Quem acompanhou tudo desde o início foi o ministro do Trabalho, Carlos Luppi, brizolista da velha cepa, aglutinando muitos à sua volta. Seguimos todos pela rua Uruguaiana, adentramos a avenida Presidente Vargas e fomos nos juntar a outro grupo, esse petista, no largo defronte a igreja da Candelária. Lá, outro ministro, Carlos Minc. Ambos juntos da massa seguimos até a Central do Brasil, uns 700 metros adiante, onde um ato coletivo estava marcado defronte a estação ferroviária da Central do Brasil, pólo de trens para os suburbios cariocas. Aglomeração e agitação. Gravo Luppi e reproduzo aqui parte de sua fala, feita de cima de um caminhão de som, onde quase no mesmo lugar onde em 13/03/1964, o então presidente João Goulart fez o comício famoso que desencadearia no truculento Golpe Militar. Guardadas todas as devidas proporções, Luppi falou bonito na defesa do governo de Lula, o único de nossa República a olhar com olhos mais sensíveis para a imensa camada de miseráveis e os mais necessitados. Eu e minha pesada bolsa de trabalho estivemos até quase o fim do ato em estado de êxtase, afinal a causa de todos por ali era mais do que justa. Sabe o que acho disso tudo, o povo perde muitas de suas batalhas, mas ganha outras tantas. Estamos no acertado caminho dessa vitória, contrariando interesses vis de uma minoria prepotente e arrogante.

MOTIVOS PARA VOTAR EM DILMA PRESIDENTE (13) - "Dilma representará uma vitória inesquecível para as mulheres brasileiras. Ainda somos um país muito machista. A violência doméstica é uma realidade cotidiana para milhares, talvez milhões de mulheres, especiamente as mais pobres. As mulheres ainda recebem bem menos que os homens pelo mesmo trabalho. A maioria da população feminina ainda acumula uma dupla jornada de trabalho. Não só por ser mulher, mas também por pertencer a um projeto político que já demonstrou ser aliado das mulheres na luta, Dilma pode contribuir a mitigar essa situação e nos fazer avançar nessa área tão urgente. Não é desimportante, claro, o fato de que ela é mulher: da mesma forma como a vitória de Lula, por si só, representou imenso ganho para a autoestima dos trabalhadores, que agora sabiam que podiam chegar lá, da mesma forma como a vitória de Obama trouxe enorme esperança para muitos negros jovens, que agora tinham a prova de que alcançar o topo era possível, a vitória de Dilma representará um enorme salto para a autoestima, as possibilidades, as aspirações de milhões de mulheres e, especialmente, de crianças e adolescentes do sexo feminino", extraído do blog "O Biscoito Fino e as Massas". Pronto, reproduzi aqui treze bons motivos pelos quais estou ao lado da proposta representada por Dilma. É com ela que eu vou...
video

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

CHARGES ESCOLHIDAS A DEDO (33) - VIVA LATUFF

VOCÊ NÃO GOSTA DE MIM, MAS SUA FILHA GOSTA, VERSÃO 2010 E MAIS...
1. Continuo aqui pelo Rio de Janeiro (volto amanhã cedo) e ao abrir esse blog hoje pela manhã, algo a me tocar, um Comentário de alguém novo por aqui, Ana Paula, da vizinha Duartina, com um tema que já devia ter abordado: Filho votando de um jeito e restante da família paulista de outro. Leiam: "Henrique sou da pequena Duartina vizinha de Bauru, mas para ver como as coisas são tive que mudar de Estado (PR). Fico triste como as coisas são conduzidas neste Estado que tanto amo. E mais triste ainda em ver que minha família é serrista, também é só rede bobo que entra em casa fazer o quê? Por isso fiquei bem feliz quando vi que ainda há esperanças por estas bandas. Ana Paula".

Essa angústia da Ana é a minha e a de muitos. Os paulistas estão votando cegamente e de cabresto curto. Vejam o voto no Pedro Tobias para deputado, que por ser contrariado diz que nada fará por Bauru durante seu mandato. Os tucanos nos apunhalam e continuamos votando neles. Continuamos é um modo de dizer, pois eu e a Ana não votamos. Porém, percebo que uma parcela significativa dessa nova geração vota sem nenhuma consciência política. Estamos perdendo isso. E convencer pais, avós, tios é uma hérculea tarefa.

2. Tenho me irritado com o posicionamento conservador de gente que leio regularmente pelos jornalões brasileiros. Nessa semana tudo começou com Carlos Heitor Cony, cujos livros li e reli. Desanca Dilma e acaricia vergonhosamente Serra. E o faz às vésperas da eleição de forma desavergonhada, com fins eleitorais, com fundamentação pífia, confirmando vesguice, ou seja, enxerga males exarcebados de um lado e quase nada de outro. O Rocardo Noblat eu nunca li, mas espio quando posso. Esse foi outro. Fez uma agressão desnecessária e deselegante ao presidente Lula, que se ele não sabe está com 80% de aprovação no seu segundo mandato. Um leitor desanca Noblat numa carta que circula pela internet. Ontem li Cora Rónai, n'O Globo. Lia ela no antigo e saudoso Pasquim, virou colunista e blogueira no jornalão dos Marinho e na crônica de ontem, faz brincadeirinhas de ambos os lados, mas acentua que Dilma não goza de sua preferência. São pequenos toques, dia após dia, ininterruptos, com um sentido claro, minar o crescimento de Dilma. Leiam a crônica de Cora, "Conversa vai, conversa vem" e concordem ou não comigo: http://www.cora.blogspot.com/

3. Por fim, uma palavrinha sobre o posicionamento da Igreja Católica, expressada ontem pela fala do Papa, às vésperas da eleição, vindo a público para dizer algo mais sobre aborto, afirmando que "o episcopado brasileiro tem o dever de emitir juízos morais sobre temas políticos". Ninguém me tira da cabeça uma orquestração pérfida com três dias do pleito. Dessa igreja conservadora quero distância, pois é contra tudo, inclusive avanços científicos. Com sua fala, o Papa abre a possibilidade de nossa opinião sobre sua sucessão quando essa ocorrer, pois poderia muito bem me justificar da seguinte fome: "o povo católico brasileiro tem o dever de emitir um juízo sobre os destinos e o nome do mandatário da instituição onde vai depositar sua fé e espetança".

MOTIVOS PARA VOTAR EM DILMA PRESIDENTE (12) - "Dilma tem uma bela, impecável história de vida. Representante da geração que correu risco de morte para lutar contra a ditadura com os recursos que tinha, Dilma jamais renegou seu passado. Com serenidade, ela sempre explica que o contexto mudou, que o mundo é outro, e que agora ela luta com outros instrumentos, dentro da normalidade democrática. Mas ela nunca fez as penitências meio patéticas, as autocríticas confortáveis a que nos acostumamos ao ouvir, por exemplo, Fernando Gabeira. Representante também da geração que acompanhou Leonel Brizola na recomposição do legado varguista na pós-ditadura, ela jamais renegou a herança do trabalhismo. Dilma Rousseff é a ponte entre o que de libertário e popular havia no trabalhismo brasileiro e o que de novo e transformador trouxe o Partido dos Trabalhadores. Sua presença já na administração Olívio Dutra em Porto Alegre mostrou que ela estava consciente de que essa ponte era possível. Muitos petistas—este atleticano blogueiro incluído—adotaram, especialmente nos anos 80, posturas sectárias e intolerantes ante o trabalhismo, incapazes que fomos de ver qualquer característica positiva no movimento que conferiu cidadania à classe trabalhadora pela primeira vez. Dilma é a possibilidade de aprofundamento desse diálogo entre o lulismo e tradição trabalhista que ele transforma. Essa bela história de vida está bem narrada em seu primeiro programa de TV", extraído do blog O Biscoito Fino e as Massas.
OBS.: Publico hoje as últimas fotos do ato pró-Dilma sábado passado. Amanhã, dia 30, tem novo Ato, no mesmo horário e local. Todos lá. Todas as charges são do amigo carioca, ativista político, CARLOS LATUFF e estão espalhadas pela internet.

quinta-feira, 28 de outubro de 2010

OS QUE FAZEM FALTA e OS QUE SOBRARAM (14)

KIRCHNER - UMA MORTE A SER ENTENDIDA
Ontem, quarta, 27, falece na vizinha Argentina o ex-presidente Nestor Kirchner, marido da atual presidente do país. O casal Kirchner, quer queiram ou não os barões da agricultura especulativa e da mídia platina (cinco ou seis famílias, igualzinho aqui) estão dando uma cara nova nas relações políticas por lá. Depois do desastroso mandato de Menem, que comparo ao de FHC aqui no Brasil, em todos os sentidos, inclusive no da velhacaria, Nestor surge no cenário vindo de uma região distante e fria, a Patagônia, enfrenta os problemas de frente e começa a tirar o país da bancarrota. Um capitalismo mais sensível com os problemas sociais e só por isso, incomodativo para uns poucos poderosos. Estabelece um bom relacionamento com todos os países latinos e fortalece o Mercosul. Com Cristina Kirshner, a continuidade disso. Só de ver a Juventude Peronista e as Mães da Praça de Mayo ao lado da atuação de ambos, entendo estarem no caminho correto (estive lá em 2007, junto do amigo Marcos Paulo e vimos o povo nas ruas, inimagináveis cenas por aqui). Seria um retrocesso a Argentina voltar ao período de instabilidade e incertezas anterior (de sacanagem também), igualzinho aqui. Quando leio daqui as articulações promovidas por Cobo (o vice, rival do casal e aliados dos agricultores e barões da mídia, os algozes do país), lembro imediatamente de Lula e agora de Dilma. Tanto lá como cá, o poder econômico joga sempre pesado e de forma suja. Nestor se preparava para concorrer novamente à presidência na eleição do próximo ano. Caberá a Cristina se fortalecer, principalmente no apoio popular e continuar o que está sendo feito. Assim como Dilma o fará. Até nisso somos muito parecidos com os irmãos do sul. Para saber mais disso leio sempre o http://www.pagina12.com.ar/ e a edição de hoje é de muita tristeza. Diante do atual quadro político argentino e latino, Kirchner é dos que farão, com certeza, muita falta.

Da morte de Romeu Tuma pouca coisa. Tenho uma lembrança nada boa do seu período como policial do repressor DOPS e de sua primeira eleição ao Senado, 16 anos atrás, quando concorreu com Luiza Erundina, então no PT. Erundina perdeu o pleito por absoluta falta de empenho petista e Tuma ganhou projeção. Preferiria muito mais ter tido Erundina por lá. Só isso.

RAZÕES PARA VOTAR EM DILMA PRESIDENTE (11) -"Dilma é mais internet para todo mundo. O principal candidato da oposição, José Serra, pertence a uma força política que já demonstrou não ter compromissos com a expansão da internet para as camadas mais pobres da população. Expressão privilegiada dos grandes conglomerados midiáticos do país, o tucanato é responsável por desastres como o AI-5 Digital, uma coleção de inomináveis asneiras destinadas a cercear, censurar e controlar a liberdade da internet. Sob o governo Lula, o acesso à rede mundial de computadores aumentou muito e é Dilma, não qualquer outro candidato, quem tem histórico e compromisso com a implementação do Plano Nacional de Banda Larga, uma verdadeira de carta de alforria informativa no país. Quanto mais gente tiver acesso à internet, mais democrática e bem informada será a nossa sociedade. Os pobres sabem disso e estão com ela, em sua esmagadora maioria", extraído do blog "O Biscoito Fino e as Massas".

OBS.: Continuo publicando fotos do ato pró-Dilma, do lado direito da página e só por isso recebendo críticas dos esquerdistas, que preferiam vê-las do outro lado, o esquerdo. Continuo pelo Rio Janeiro, volto sábado.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

PRECONCEITO AO SAPO BARBUDO (29)

CUIDADO, ELE MORDE - O COISO, EXPLICADO PARA CRIANÇAS
por Marco Aurélio Mello, no blog "Doladodelá", enviado pelo amigo ARTHUR MONTEIRO JR, um advogado trabalhista, ligado ao PSOL de Bauru, mas que na hora "H" não pensou duas vezes, é Dilma na cabeça, centena e milhar.
(OBS. do HPA: Estou no Rio de Janeiro à trabalho de hoje até sexta e quase sem tempo, mas quando li esse texto fiquei impressionado. É sobre a personalidade do Serra e foi percebida por uma pessoa que não tem afinidade com Dilma, PT e a esquerda, havia votado Marina, mas a ficha caiu e acabou por escrever isso. O Preconceito ao Sapo Barbudo de hoje é às avessas, pois de tanto serristas baterem em Lula, algo deste veio à tona).
Meu filho mais velho, Pedro, me perguntou ontem se eu tenho certeza que o Serra não faria um bom governo. Absoluta, respondi. Depois fiquei pensando, por quê? Resolvi listar pelo menos sete razões concretas para ter construído esta certeza.
1. Desde que foi para Brasília, onde ocupou cargos no Legislativo e, depois, no governo Fernando Henrique, Serra montou uma central de inteligênica clandestina, cuja finalidade era investigar, intimidar e chantagear seus adversários (usando para isso jornalistas inescrupulosos que conheço).
2. Quando se candidatou à presidência, em 2002, para tirar do caminho sua adversária Roseana Sarney, tramou contra ela e o marido uma operação com a ala tucana da Polícia Federal, para expor o caixa dois da pré-campanha da adversária (como se caixa dois fosse privilégio apenas de opositores).
3. Tentou derrubar com ilações seus principais companheiros de partido: Geraldo Alckmin e Aécio Neves, um em 2006, e outro em 2009 – sobre Alckmin, expôs suas ligações com a Opus Dei (que hoje apoia Serra ferrenhamente) e, sobre Aécio, insinuações de que o agora senador seria dependente de cocaína e tinha predileção por agredir mulheres.
4. Sempre calou a imprensa paulista com dinheiro, na forma de anúncios, assinaturas e negócios nebulosos. Todos os jornalistas que se impuseram em seu caminho foram massacrados. Ele próprio, Serra, tem o péssimo hábito de telefonar para as redações para “conversar” diretamente com os diretores de jornalismo. Já testemunhei uma dessas conversas. Para ficar em apenas dois exemplos, na TV Cultura: Luis Nassif e Heródoto Barbeiro foram afastados, depois que fizeram críticas a seu governo.
5. Recentemente, deu à TV Globo um terreno (que era do povo paulista) numa das áreas mais valorizadas da capital, em troca de um projeto - no mínimo esquisito - de formação de mão de obra para a televisão. Um escândalo que só não foi investigado porque o Ministério Público Estadual está nas mãos do PSDB há 16 anos!
6. Como Governador, nos últimos anos, determinou que sua Polícia Militar sempre reprimisse manifestações, seja de policiais civis em greve, de estudantes da USP e, até, de professores, o que expôs toda sua truculência em governar, em detrimento do diálogo e da conciliação.
7. Agora, em 2010, o candidato e seus apoiadores têm promovido uma das campanhas eleitorais mais sujas da história do país. Serra posa de estadista, enquanto um grupo de profissionais (colegas jornalistas entre eles) espalha calúnia e difamação em e-mails apócrifos, panfletos e nas redes sociais – como o twitter. Há uma coleção de pessoas já identificadas com seus número de computadores, que serão objeto de análise pelo Ministério Público e a Justiça Eleitoral.

Costumo brincar com o Pedro que, se Serra fosse eleito, eu e meus colegas perderíamos o emprego. Não duvidaria disso!

Um leitor, num comentário complementa com mais seis - Há muito mais razões. Fiquemos nessas (por enquanto):
8 – Quando “governador” do estado de SP, além de intensificar a privatização do SUS para as Organizações $ociai$, tomou uma grana do Governo Federal (que deveria ter sido aplicada no SUS) e aplicou a grana no mercado financeiro.
9 – Disse que valorizaria o professor mas criou um plano de cargos e salários que exclui 90% da categoria de qualquer aumento ou beneficio (usando as táticas dos generais romanos: divida paar conquistar)
10 – Investiria no transporte público de massas, mas; a exemplo de seus antecessores tucanos, construiu 500 metros de metrô por ano.
11 – Provocou um inicio de Guerra Civil em SP, ao instigar a PM contra a Policia Civil.
12 – Tentou extinguir a autonomia das Universidades Estaduais Paulistas, enfiando-as debaixo de uma Secretaria Especial
13 – Continuou com sua política de desmonte do serviço público ao impôr (já que estava fora do governo) reduções nos programas produzidos pela TV Cultura
Realmente, um tipo inesquecível.

OBS. de final de escrito: Continuo publicando as fotos do ato e passeta Pró Dilma (todas do lado direito), último sábado em Bauru.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

RETRATOS DE BAURU (90)

ADÍLSON DA BANCA, PARADA OBRIGATÓRIA NO CENTRO DA CIDADE
Há exatos 29 anos Adílson trabalha diariamente numa banca de alumínio localizada na Rua Treze de Maio, quase esquina com a rua Primeiro de Agosto, no centro de Bauru, na parede lateral da Droga Raia. Sujeito boa praça, papo dos mais agradáveis, virou vício uma paradinha ali para um papo e na maioria das vezes sem nada adquirir que ali esteja sendo comercializado. Fez amizades aos montes e eles se revezam com o cotovelo debruçado sob um improvisado balcão. Seu nome é ADÍLSON CHAMORRO, 46 anos, morador do Jardim Jussara e um dos milhares que vem e voltam ao seu local de trabalho de ônibus circular ("quer que relate os problemas no setor", me diz) e segundo um dos frequentadores, "Só vem de carro se a Adriana deixar" (essa a esposa e amiga de todas as horas). Tudo ali é motivo de risos. O diferencial do lugar é a liberalidade do papo, mais progressista e sempre com uma conotação política. Adílson é desses que não se deixa levar por embromadores de plantão, escolheu um caminho a ser seguido e foge da mesmice. Ficou famoso quando no quarteirão existiam duas rádios, a 94FM e a Auri-Verde AM, virando fala diária de ambas e isso só fez crescer sua popularidade. E ri das conversas que vai travando durante o dia, como o conselho dado a uma mulher catadora de papel que iria votar no Serra: "Cuidado, hem! Ele vai tirar todo mundo da rua e se bobear joga até no mar". É que, como a maioria do povo brasileiro, não entende como pobres votam naquele que os apunhalam. No último sábado diz que um ficou na sua banca só no papo, das 9h30 até às 13h. Muitos vão lá para comprar e trocar cartões telefônicos, selos, antiguidades, figurinhas e jogos permitidos, além de comprar jornais. De um que estaciona o carro do outro lado da rua e vem para o aperto de mão, ouço um "Se eu for à cidade e não passar por aqui é o mesmo que...". Pela localização, virou ponto de informação de perdidos no centro da cidade e vai sempre conquistando novas amizades. Nas horas de lazer Adílson gosta de bater uma bolinha com amigos da paróquia São Benedito lá na distante AABB, num agrupamento de 60 pessoas denominado de "Comdor" (é com "m" mesmo e não com "n" da ave), pois diz que todos correm muito, mas não estão lá muito bem fisicamente. No último final de semana criaram algo novo, o FICO, cuja sigla diz tudo, Fundação dos Inativos do Comdor, pois todos passam mais tempo no estaleiro que no gramado. De uma família de 12 irmãos (11 vivos), Adílson toca sua vida, simples e do jeito que gosta, um dos melhores observadores de tudo o que acontece no centro de Bauru. Antenado com tudo, escrever dele em poucas linhas é um tanto difícil, assim como, quando diante de sua banca parar só para um aperto de mão.
UM POUCO DE DILMA PARA ABRANDAR A ANSIEDADE DO PLEITO DOMINICAL:
Vivo intensamente cada novo momento nessa campanha política. Sofro intensamente. Ontem algo a me emocionar. Primeiro vi abrindo o blog do Cloaca (www.cloacanews.blogspot.com ) e depois num comentário postado aqui pelo bom baiano Messias, de Feira de Santana. Era sobre algo que hoje já está em muitos dos ditos blogs sujos. Uma fala emocionada do ator JOSÉ DE ABREU, que vivenciou in loco a resistência ao Golpe de 64 e fala de cátedra sobre o movimento estudantil (que saudade do daquela época, com militância, engajados e vibrantes). Ver e ouvir a fala do Zé é para elucidar quem foi o fujão do José Serra. Cliquem a seguir no http://www.youtube.com/watch?v=w45RosZRfO8&feature=player_embedded