terça-feira, 24 de dezembro de 2013

RELATOS PORTENHOS (09)


A VELHINHA E SUA PARAFERNÁLIA MUSICAL NAS RUAS DE SAN TELMO
Hoje é um dia meia boca (ou até boca inteira), pois a grande maioria das pessoas já se encontra em compasso de espera para o Ano Novo. Véspera de Natal, uma data hoje marcada pelo consumismo desenfreado, eu mesmo já encerrei minhas atividades profissionais no ano, devendo recomeçar no início de janeiro. Vendedor tira férias desse jeito, entre feriados. Vejo muitos trabalhando e ralando muito nesses dias e é pensando nesses que posto aqui de forma despretensiosa, mas para uma reflexão sobre o que vemos por aí nas nossas andanças, algo que na maioria das vezes nos faz parar, fotografar, ter posicionamentos breves, passageiros e depois, na sequência da vida, tudo continuar da mesma forma que dantes. O que foi visto ali já foi devidamente esquecido, mas ali na próxima esquina existe algo novo, com o mesmo significado, propiciando a continuidade do questionamento: Por que disso? Isso não só nos alegra, pela emoção das imagens que posto, a da sensibilidade de ver uma musical velhinha, mas também muito entristece pelo seu significado oculto. Escrevo isso pensando numa pessoa, pois nos meus retornos à Buenos Aires, bato cartão na feira dominical de San Telmo, o tradicional bairro boêmio da capital portenha e ali uma das mais famosas do mundo ao ar livre, de artesanato e antiguidades. Num dos seus cantos, a velhinha com mais de 80 anos, que inventou uma parafernália linda, tocando e encantando os presentes. Bate naquilo tudo com gosto, arranca aplausos e a grana necessária para continuar tocando sua vida dignamente. Pessoas como ela estão por todos os cantos, aqui e acolá, cada qual tocante e encantante ao seu modo e jeito. A pergunta que não me sai da cabeça é só uma: Não seria muito mais interessante vê-la tocar e cantar não movida pela necessidade, mas pelo amor ao que faz? Ela deve fazer isso pelas duas coisas juntas, mas... Tento me reprogramar e voltar à Buenos Aires em julho do próximo ano e irei na expectativa de reencontrá-la e se não o fizer, triste ficarei, mas sei que outros estarão ocupando seu espaço e ela terá ido. Esse mundo onde vivemos não será nunca um primor no atendimento das reais necessidades do ser humano. Aqui em Bauru outros tantos fazem o mesmo, como o cego que toca seu instrumento na feira dominical. Até quando terá forças para lá estar? Que tenham todos bons dias nesses que nos restam nesse bocadinho de ano.
video

Um comentário:

Anônimo disse...

putz, gostei da cornetinha, na peça que estou dirigindo, toco flauta, prato, caixa e buzina, se eu tivesse uma cornetinha dessas, seria uma pessoa mais feliz...
Silvio Selva